sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Pedras amanteigadas.

Depois de um final de semana lutando para não comer muito com os pais da minha amiga, que pareciam utilizar a casa da praia apenas para estripulias gastronômicas, resolvi fazer um programa mais saudável. Tinham me dito que, não muito longe de onde eu estava, havia uma trilha que acabava numa cachoeira. Eu sei que parece muito perigoso entrar no meio do mato e sair andando por ai, mas esse trajeto era dentro de um parque e disseram que era um caminho muito tranqüilo. Então, numa terça-feira, acordei bem cedo, recheei 4 fatias de pão integral com ricota e cenoura, guardei meus dois sanduíches na mochila e lá fui eu, desbravar a natureza.

O caminho era bem tranqüilo mesmo, apenas um pouco longo, mas tinham até algumas plaquinhas de quando em quando apontando o caminho certo. Depois de algum tempo, comi minha barra de cereais porque já era hora do lanche, meio que escondendo ela para que nenhum macaco espertinho tentasse roubar um pedaço. Se bem que não me deparei com nenhum primata por lá.

Enfim, bastante tempo depois, cheguei. E valeu a pena. O lugar era lindo e perfeito para meu almoço no meio do mato. Cheguei bem no ponto onde uma cachoeira chegava e outra começava, o que criava uma espécie de piscina natural. Não tive dúvidas e me joguei na água. Estava na temperatura perfeita. Tudo perfeito. Ou quase tudo. Quando achei que já era hora de devorar meus sanduíches, nadei para a borda, agarrei em uma pedra e tentei sair. Infelizmente, algum espertinho passou manteiga nas pedras, ou alguma coisa do gênero e eu não conseguia, de forma alguma, sair daquela porcaria de riozinho. Tentei tudo o que era possível, mas o máximo que consegui foi me jogar sobre uma pedra e ficar lá, imóvel, como uma morsa. Não sei quanto tempo passei lá, mas pareceu bastante. E, enquanto morsava, muito me passou pela cabeça: meu almoço, minha fome cada vez maior, o protetor solar que ia parar de funcionar a qualquer instante, toda a vida que eu ainda tinha pela frente... Sabe, coisas do tipo. Mas, então, minha salvação apareceu na forma de 3 garotos de uns 15/16 anos. A primeira coisa que eles fizeram, porém, não foi correr a atender o meu pedido de ajuda e sim dar risada. E como riram. Riram tanto, que comecei a suspeitar que estavam chapados. Sim, estavam completamente chapados. Então, me ocorreu uma ideia. Ofereci um sanduíche para quem me tirasse de lá. Os três fizeram um trabalho impecável em poucos segundos. Foi uma pena ter que dividir meu almoço, mas uma maravilha ter escapado com vida.

7 comentários:

  1. Hehehe, eu ri da forma que vc escreveu pq achei engraçado mas fiquei pensando... como assim passar manteiga na pedra? já pensou se estes meninos não tivesse aparecido por lá?

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Ri muito imaginando a cena. Morsando para mim não teve nada melhor. E a Panqueca? Como está?

    ResponderExcluir
  3. Ai que um dia destes ainda te matas:)))
    Bom FDS

    ResponderExcluir
  4. Saiu com vida e mais magra, comendo só a metade!

    ResponderExcluir
  5. Olá, Parabéns pelo blog e pela atitude de emagrecer!

    Em meu blog, dou dicas de emagrecimento que podem lhe ajudar a prosseguir e alcançar seus objetivos. Dá uma passadinha lá e conheça... Ficaria muito feliz em tê-la como seguidora!

    Beijos e Sucesso! Priscila.

    ResponderExcluir
  6. Então. Eu ri também, não teve jeito...

    =~

    ResponderExcluir